Cosmética Natural

Esfoliante de borras de café {diy}

terça-feira, maio 31, 2016

Vou-vos contar um segredo: provavelmente o melhor elogio elogio que já recebi em relação à minha aparência física foi que a minha pele tinha textura de nuvens. Não sei muito bem qual é a textura das nuvens mas suponho que esteja entre o algodão e uma pétala de flor. Por isso, desde essa altura a textura da minha pele é um motivo de orgulho para mim. E também por isso: tento estimá-la da melhor maneira. Hoje trago-vos a minha nova descoberta e o novo mimo da minha pele de nuvem. {que vocês também podem ter facilmente}


O que eu faço para mimar a minha pele é simples: beber muita água, coloco creme todos os dias e faço esfoliação pelo menos uma vez por semana. E é nesta última tarefa que reside o grande problema. Durante muitos anos experimentei dezenas de esfoliantes que não faziam rigorosamente nada à minha pele: porque apesar de ser macia, tenho o eterno problema dos pelos encravados. (Tirando o esfoliante que falei aqui, que realmente resolveu os meus problemas). Conclusão: precisava de um esfoliante suave mas forte o suficiente para me resolver o problema. Encontrei a solução no esfoliante que usava até há uns tempos atrás: mel com açúcar. 

De há uns tempos para cá decidi que ia deixar de usar mel então tive que arranjar outra solução. E foi na bancada da cozinha que a encontrei. Junto à máquina do café temos um recipiente onde colocamos as borras do café para fazer adubo na terra. Eu já tinha ouvido falar da eficácia destas borras em relação à celulite então decidi experimentar. Para além de estar a reutilizar as borras de café também não estava a usar nenhum produto de origem animal. Então cá vai a receita.


Esfoliante de borras de café

1 chav. de borras de café
1/2 chav. de açúcar 
1/2 chav. de sal marinho
1/2 chav. de azeite

~ Misturar tudo até ficar uma mistura, guardar num recipiente próprio ~ 


Testei, aprovei e não mudo tão cedo de esfoliante. Uso o esfoliante com a pele ainda seca, massajo uns dois a seis minutos e depois tiro com água. Aviso só que a casa de banho fica mesmo a cheirar a café, para nem gostar é um senão, para quem gostar é uma óptima vantagem. Para mim: é tudo de bom. O que acham? 

Um xi- sem crueldade, sustentável, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Receitas

Cogumelos portobello recheados com soja ~

segunda-feira, maio 30, 2016

 Fui criada com uma regra básica em relação aos domingos: Domingo é dia de assado. E não interessa se faça chuva ou sol, se não houver assado, não é domingo. Esta receita foi feita ontem e claro, tinha que ser um assado. Um assado vegetariano, sem natas, queijo ou ovo. Uma receita simples, com ingredientes simples, porque não há nada de complicado na cozinha vegetariana. E para desmitificar que: para ser saboroso tem que levar queijo ou natas. Não, não tem que levar. A comida vegetariana é saborosa assim, com o verdadeiro sabor da comida que usamos. Neste caso cogumelos portobello e soja texturalizada (não costumamos usar muito cá em casa, preferimos usar a soja do nosso terreno porque sabemos que não é transgénica, mas esta é uma opção que facilmente encontram num supermercado perto de vocês). Vamos a isso?


Cogumelos Portobello recheados com Soja

~ 4 cogumelos Portobello
~  2 chav. de soja
~ 1 cebola média
~ 2 dentes de alho
~ 1 c. sopa de azeite
~ 1 folha de louro
~ 1/2 c. chá de pimenta preta
~ 1 c. chá de noz moscada
~ 1/2 c. chá de pimentão doce
~ 1 c. chá de cominhos
~ 3 c. sopa de molho de soja
~ 3 c. sopa de "concentrado" de tomate
~ 3 c. sopa de salsa picada 
~ 2 c. sopa de oregãos frescos
~ 1 caule de cebolinho picado
~ 1/2 chav. de vinho branco

1º) Deixar a soja de molho de um dia para o outro. Antes de usar lavar e escorrer bem a soja.
2º) Pré-aquecer o forno a 180ºC. Limpar os cogumelos com papel absorvente, tirando os pés. Colocar os cogumelos num tabuleiro de ir ao forno. Reservar.
3º) Colocar o azeite num tacho e alourar a cebola e o alho picados.
4º) Juntar a soja e deixar cozinhar em lume médio-alto (até não haver restos de água nenhuma).
5º) Acrescentar as especiarias, mexer bem e baixar o lume. Juntar o molho de soja, o concentrado de tomate, os pés dos cogumelos picados e a folha de louro, deixar cozinhar entre dez a quinze minutos.
6º) Quando a soja estiver cozinhada acrescentar as ervas aromáticas (de preferência frescas) e deixar cozinhar mais 5 minutos.
7º) Acrescentar o vinho, mexer até evaporar o álcool e rechear os cogumelos.
8º) Colocar os cogumelos no forno entre 20 a 30 minutos. Et voilá!


Servi o assado com arroz basmati e couve roxa salteada no wook. A receita foi aprovada e agora é aprovada. Espero que gostem e que a façam em dias de domingo ou não. Já sabem, se experimentarem, avisem!

Um xi-♥ e bons cozinhados, 
Mariana.

Cosmética Natural

Novas aquisições #2 {In my way to the green beauty}

domingo, maio 29, 2016

Se nunca ouviste falar da minha rubrica "In my Way to The Green Beauty" lê aqui o que andei a fazer para ter artigos de higiene mais ecológicos e sustentáveis. Desta vez trago-vos as últimas coisas que comprei para esta aventura e que ainda não tinha partilhado com vocês. (Atenção: Nenhum destes post é patrocinado.)



1) Tea Tree Oil - Tenho a certeza que mais tarde vou-vos falar mais concretamente deste óleo. Comprei-o no Celeiro e a da Dr. Organic (que não é testado em animais, tem ingredientes de origem natural e vegan) para me ajudar na limpeza da minha pele. Já tinha falado aqui da propriedade desinfectante deste óleo, este actua como um purificador da pele, sendo óptimo para peles com tendência acneica. De noite coloco umas gotas deste óleo num algodão e passo-o na pele, especialmente em zonas em que tenha borbulhas. Comecei a usar há pouco tempo, daqui a uns meses, volto para dar o meu feedback. Para já, estou satisfeita com os 8 que gastei neste óleo. 

2 | 3) Yang & Ying Oils -  Estes óleos chegaram às minhas mãos a semana passada com este postal da minha professora de yoga favorita do sul. É o novo lançamento do blog Heart Intention: "Uma linha de óleos, loções e outros. Natural, orgânica e 100% Handmade". Lembro-me perfeitamente quando fazia as aulas de yoga com a Mónica, que no final havia sempre direito a uma pequenina massagem com os óleos que ela fazia e o relaxamento era profundo. Voltar a ter estes óleos na minha prática (mesmo a quilómetros de distância) é voltar a sentir a Mónica ao meu lado e a apoiar-me na minha jornada do yoga. Os óleos são feitos com óleo de amêndoas doces e óleos essenciais. O yang é para dar energia e o ying (que devo admitir que é o meu favorito) é para acalmar. São excelentes, a forma perfeita de estar em shavasana. {Em relação a preços... vão ao facebook Heart Intention e a Mónica indica-vos.}

4) Esponja Facial Konjac com Carvão de Bambu - Já andava a namorar esta esponja há algum tempo até que me apercebi que elas estavam em promoção na loja online Círculo Bio e não consegui resistir. A minha espuma de limpeza da Mádara (que vos mostrei aqui) tinha acabado e foi a junção de dois motivos perfeitos. Comprei a esponja fácil com carvão de Bambu porque é a mais indicada para a Pele oleosa e com tendência à acne, mas na verdade há para mais tipos de pele. A  Konjac é uma planta que cresce de forma selvagem em zonas de alta altitude da Ásia.  O Konjac é 97% água, rico em minerais e fibras. E é a partir das fibras vegetais dessa planta, rochas vulcânicas e água pura filtrada que são feitas, à mão, estas esponjas. Não contêm corantes nem aditivos, são biodegradáveis, sustentáveis e não são testadas em animais. (Podem ver mais sobre como são feitas aqui). Esta esponja promete limpar os poros em profundidade, eliminar a sujidade, as impurezas, os pontos negros e absorver o excesso de oleosidade e toxinas. Custou-me pouco mais de 8  e para já estou muito satisfeita, a sensação na pele é como se tivesse acabado de fazer uma máscara de limpeza. Acho que se pode dizer que estou rendida.

5) Batom labial - Descobri o baton labial de coco da Dr. Organic (gosto mesmo dos produtos desta marca, será que se nota?) e fiquei fascinada. Adoro o cheiro, o sabor e a textura. Para quem não gosto a marca tem muitos mais sabores, não se aflijam! Mas se quiserem aproveito para dizer que as coisas da gama de coco estão em promoção no Celeiro. Dá para inventar mais desculpas? 


Felizmente todas estes achados estão à distância de um clique. Por isso, não há muito mais razões para continuar a encher o nosso corpo de químicos e a fazer escolhas nada conscientes e ecológicas, pois não?

Um xi- sem crueldade, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Receitas

"Concentrado" de tomate com cebolinho ~

sexta-feira, maio 27, 2016

Quanto mais tempo passo em casa dos meus pais mais tempo me apercebo que a vida simples é o meu género de vida. Apercebi-me que o meu caminho passa por ter tempo para ver o pôr-do-sol e ouvir os pássaros, por fazer yoga no relvado e dar de comer aos patos. Apercebi-me que fui talhada para observar o crescimento das flores e colher os frutos directamente das árvores. Não vale a pena tentar fugir de um caminho que já escolhemos como nosso e o identificamos como tal. 

Em relação a isso hoje li este texto da Catarina (que vos aconselho a ler) e tenho que salientar esta parte, porque é tudo o que vos quero dizer hoje«Como já disse anteriormente, um dos meus sonhos de vida é ser o mais auto-sustentável possível. Ter horta, galinheiro, reutilizar coisas, aproveitar ao máximo o ciclo de vida útil das coisas, reduzir consumos, ir à lenha, fazer pão, construir e produzir coisas com as minhas mãos, e quem sabe até fazer a minha própria cerveja? E isso não é "viver com pouco". É viver com fartura! Fartura de saúde, fartura de sabor, fartura de tempo, fartura de diversão e fartura de não-stress. E ainda se poupa dinheiro.»


Esta vida tem-me permitido fazer algumas descobertas em relação a mim mesma. Tem-me permitido olhar mais para dentro e ser mais selectiva em relação aquilo que me  rodeia.  Uma dessas coisas, como já sabem, é a minha alimentação. De há uns anos para cá tenho-me preocupado em comer coisas locais, biológicas e saudáveis. O que não é assim tão difícil como pode parecer. 

O truque é: fazermos as nossas próprias coisas. Já partilhei com vocês a minha última receita de granola,  a de manteiga de amendoim, do meu gel de banho e até do meu desodorizante. Hoje partilho-vos um "must have" cá de casa. O nosso concentrado de tomate ou como lhe chama a minha avó "a tomatada".  Comecei a fazer há uns quatro ou cinco anos altura em que a nossa estufa começou a presentear-nos de tomates. Congelo-os e depois faço esta tomatada sempre que preciso durante o ano inteiro. Desde aí nem sei o que é ir comprar concentrado de tomates (cheios de conservantes, aditivos, açúcar..) e ainda bem! A receita é bastante simples e as conjugações de especiarias e ervas aromáticas são ao vosso gosto.



"Concentrado" de tomate com cebolinho 

~ 2 sacos de tomate cherry congelados
~ 2 c. sopa de azeite
~ 2 cebolas grandes
~4 dentes de alho
~ 3 folhas de louro
~pimenta preta, noz moscada q.b.
~ 3 a 4 c. sopa de cebolinho picado

~ Colocar o azeite numa panela, refogar a cebola e os dentes de alho. 
~ Acrescentar os tomates previamente descongelados (eu fiz com cherry mas podem fazer com outra qualidade) com as folhas de louro e deixar cozinhar entre trinta minutos a uma hora. 
~ No final acrescentar as especiarias e as ervas aromáticas (o manjericão fica mesmo bom!). Neste caso como o cebolinho é mais duro aconselho colocarem um bocado antes das especiarias. 
~ Quando estiver com a consistência que quiserem, é só triturar com a varinha mágica rectificar os temperos e está pronto.
~ Depois é só esterelizar os frascos e colocar a tomatada. E fica pronto a consumir! 

Eu guardo os frascos fora do frigorifico, depois de aberto é que tem que ir para o frio.


Um xi-
Mariana

Cartas Cruzadas

Como se escreve uma carta?

quarta-feira, maio 25, 2016



Não sei. E acho que ninguém sabe. No primeiro dia em que aprendi a construir uma carta nas aulas de português, encarreguei-me logo de o esquecer. Guardei as regras, os parágrafos e as linhas orientadoras para as cartas sem-sentimento que tivesse que mandar pela minha vida fora. Desconfio que não vá mandar muitas dessas cartas na minha vida. Não posso esconder que o que me faz querer escrever são cartas repletas de afecto. Onde dá para sentir a emoção do outro lado da papel: a letra a tremer, as vírgulas feitas devagar como se fosse uma respiração profunda e os pontos finais que trazem mais perguntas e mais curiosidade.

Não sei a maneira perfeita de escrever uma carta mas sei que há um segredo neste ritual. O truque é não ter pressa e escrever como se se falasse com alguém. Com olhares, cruzares de mãos, silêncios incómodos e gargalhadas espalhafatosas. Por isso é que uma carta é tão especial: porque leva tempo. Sabem aquela correria do relógio? Não pode haver. Uma carta pode ter dez páginas e demorar uma noite inteira a ser escrita como conversas de amigos num bar. Mas também pode caber em meia página e demorar meia hora: como um café que se toma na pausa do trabalho. Não sei escrever cartas porque, para mim, não há regras para a escrever. Cada carta é tão única como a pessoa que a recebe. (E fala-vos alguém que já perdeu conta à centenas de cartas que já escreveu na vida). Há porém uma coisa fantástica em relação às cartas: não há julgamento. Não há erros ortográficos, esperas demasiadas longas e páginas curtas. Uma pessoa só espera que seja escrita com o coração e o resto não interessa mais. 

Aliás, uma carta só é uma carta verdadeira se for escrita com o coração. Se não for, não passará de uma carta sem sentimentos, escrita como manda as regras e sem nenhuma emoção. Se não for escrita sem regras não passará de uma carta que o banco mandou sem conta para pagar.

Perguntam-me: como se escreve uma carta? E eu não sei responder. Cada carta é tão especial que é impossível dizer-vos o "meu método". Uns dias é fácil escrever, outros não consigo desenhar nem uma palavra. Umas vezes a banda sonora é música Pop noutras vezes são os eternos clássicos que me acompanham. Numas vezes escrevo no jardim e uso a minha letra inclinada, noutros escrevo na minha secretária e uso a minha letra redonda. Já escrevi muitas cartas e a verdade é que nem vos sei dizer sequer como as começar. Sei-vos dizer o seguinte: uma carta é maravilhosamente bem escrita, quando a partir do momento em que começas a escrever a primeira frase não consegues parar. Parar de escrever, parar de falar, parar de dar mais de ti. O meu método é este... escrever as cartas, assim, partilhando-me com quem me recebe na sua caixa de correio.

Cosmética Natural

Novas aquisições! {In my way to the green beauty}

sexta-feira, maio 20, 2016

Se nunca ouviste falar da minha rubrica "In my Way to The Green Beauty" lê aqui o que andei a fazer para ter artigos de higiene mais ecológicos e sustentáveis. Desta vez trago-vos as últimas coisas que comprei para esta aventura. Algumas não foram compras acertadas, mas também a aprendizagem vem da consequência dos erros, não é? (Este tipo de post vai começar a ser frequente preparem-se: vou falar daquilo que adquiri e do que não gostei e do que gostei. Estamos nesta jornada juntos?)



1) Pensos higiénicos absorção ultra com alas de algodão biológico da Sinea - Apesar de usar de noite os pensos higiénicos da Panos da Vera quando vou passar a noite fora e estou naquela altura do mês dá sempre jeito ter estes pensos. Comprei-os na Quintal Bioshop (mas na loja online Efeito Verde também tem) custaram-me 2.97 e vêm com doze pensos feitos de algodão biológico e com materiais naturais óptimos para peles sensíveis (como a minha).

2) Pensos diários de algodão biológico, sem plástico, sem perfume e sem cloro da Natracare - Pensos diários leves óptimos para andar sempre com um na carteira. Feitos de algodão biológico e totalmente biodegradável. Comprei também na Quintal Bioshop e custou-me 2,30 (vem com dezoito pensos).

3) Creme Anti-Frizz com Nozes do Brasil da The Body Shop - Admito, esta não foi das melhores compras. No Verão passado resolvi cortar o cabelo pequenino então para realçar os caracóis comprei isto na The Body Shop. Já sabemos que embora eu adore (ou adorava?) a Body Shop ela foi comprada pela L'Oreal e ao comprar lá estaremos a dar lucro à L'Oreal o que não é o melhor... Com o tempo vou conseguir deixar esta paixão desvanecer. Em relação a este produto apesar de não ser testado em animais, tem aqui alguns ingredientes que eu não detectei logo à primeira vez e não são dos melhores (por exemplo tem PPG-3, já falei dos ingredientes aqui). Conclusão: não comprar nunca mais.

4) Baton de cor  da The Body Shop  -  Não vou voltar a repetir tudo o que disse em cima em relação à The Body Shop. Precisava de um baton cor de rosa e este foi o que se arranjou. Para além de ter excedido um bocado o orçamento (13) não tenho a certeza dos ingredientes. Tenho que me começar a aventurar na escolha consciente de maquilhagem. Fica o desafio e o pedido de ajuda lançado!

5) Desodorizante ArteSana - E cá venho eu com a minha paixão pelos produtos da Su. É impossível não gostar. Ela deu-me este desodorizante para eu experimentar e devo-vos dizer: adorei-o. Apesar de ser eu a fazer o meu próprio desodorizante agora (receita aqui) este desodorizante passou a ter um lugar muito especial na minha vida. Uso-o naqueles dias em que sei que vou transpirar mais, seja porque vou fazer exercício ou porque está calor. O cheiro é intenso e lembra-nos a frescura que se sente depois de tomar banho. É óptimo para usar antes de irmos treinar ou dar uma caminhada. Aguenta mesmo bem e dura muito tempo! Em relação aos ingredientes, são de confiança como tudo o que a Su faz. Este é um essencial na minha rotina antes das caminhadas ou das aulas de yoga. Não falta! (Não sei o preço, mas se contactarem a Susana sei que ela terá todo o gosto em dizer-vos).

Para já estas são as minhas novas aquisições, mas digo-vos já que para a semana tenho coisas novas para vos mostrar. Fico à espera de feedback.

Um xi- sem crueldade, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Receitas

Granola {fit} de cacau e especiarias ~

quarta-feira, maio 18, 2016

Vou-vos ser sincera: eu adoro granola. Aliás, já deviam desconfiar porque afinal esta não é a primeira receita de granola que partilho aqui. Há uns tempos partilhei uma receita de Granola de Chocolate e Bagas Goji que apesar de continuar a ser das minhas favoritas, não faz tão bem ao meu corpo quanto esta. Apesar de adorar Granola normalmente não é uma opção muito saudável para quem está a tentar perder peso (que é o meu caso) porque tem muita gordura e açúcares. Mas como apaixonada que sou decidi que tinha que encontrar uma receita "fit" para saciar o meu desejo por Granola. Durante muito tempo fiz a receita do blogue Fome Foco Força e Fé e apesar de ser maravilhosa, eu queria outra coisa nova. Até que fui para a cozinha e criei esta receita. 


Granola de especiarias e cacau

~ 2 chavenas de flocos de aveia
~1 chavena de farelo de trigo
~ 1/2 chav. de linhaça moída
~1/2 chav. de frutos secos partidos (nozes pecãn, nozes, amêndoas e avelãs)
~ 1/2 chav de sementes (sementes de girassol, papoila e abóbora)
~ 1 c. sopa de canela
~ 1/2 c. sopa de gengibre moído
~ 2 c. sopa de cacau puro
~ uma pitada de cardamomo

~ 1 c. sopa óleo de coco
~ 2 + 1/2 c. sopa de adoçante natural (mel, agave...)
~ um bocadinho de bebida vegetal (soja, arroz, amêndoa..)

1) Juntar primeiro os ingredientes secos (flocos de aveia, farelo de trigo, linhaça moída, frutos secos, sementes, canela, gengibre, cacau e cardamomo);
2) Derreter o óleo de coco e juntar o adoçante natural, mexer até ficar liquido e incorporar nos ingredientes secos. Dica: eu coloco um bocadinho de leite de soja para juntar mais líquido à mistura sem ser preciso adicionar mais adoçante.
3) Colocar no forno a 180ºC por volta de 15min a 20min e ir verificando e mexendo para não queimar.
4) Deixar arrefecer e colocar num frasco próprio. Consumir no espaço de duas a três semanas (o que creio que não será problema!)

* Cuidado! Fica um cheirinho fantástico na cozinha que dá vontade de comer a granola toda de uma vez * 


Em relação a esta granola, vou-vos dizer a verdade: não é super crocante (por causa de não ter muito adoçante) mas tem um sabor extraordinário.  Excelente para conjugar com um iogurte de coco (o novo da Alpro é maravilhoso), maracujá, kiwi, morangos, manga, banana, tudo o que vos apetecer! Esta granola lembra-me o pôr-do-sol de Istanbul e só por isso faz-me um bocadinho mais feliz. Conclusão: não se vão arrepender de experimentar (digo eu). Como sempre, fico à espera do feedback.

Um xi-
Mariana

Cosmética Natural

Desodorizante Natural com Tea Tree Oil {diy}

segunda-feira, maio 16, 2016


Eu já tinha publicado aqui a minha receita de desodorizante mas devo admitir que não a repeti muitas mais vezes. Este desodorizante acaba por "derreter" quando fica sujeito a temperaturas mais elevadas. E isso, fez com que parasse de o fazer. Claro que não foi motivo suficiente, porque é o meu desodorizante favorito. Então resolvi voltar a fazer a receita base acrescentando só um bocadinho da magia do óleo de tea tree.

Comprei há uns tempos este óleo (Dr. Organic à venda no Celeiro) para usar nas minhas borbulhas porque li sobre o grande poder anti-inflamatório do mesmo. Tenho-o usado regularmente e adoro a sensação de fresquinho e limpeza que transmite. Achei perfeito para acrescentar à minha receita, até porque ajuda a neutralizar o odor o que dá mesmo jeito no Verão (estou à tua espera!).

Este desodorizante tem propriedades calmantes e hidratantes por causa do óleo de coco o que é perfeito para deixar as nossas axilas com a pele bem hidratada. Coloca-se como um creme, eu adoro a sua textura e quando o coloco sinto-me sempre a mimar um bocadinho mais o meu corpo de tão delicado e cheiroso que é este produto. Aconselho-vos mesmo a experimentarem (e espero feedback!). Cá vai a receita...

Desodorizante Natural com Tea Tree Oil
Para a quantidade do frasco da foto

~ 1 c. sopa de amido de milho (comum maizena)
~ 1 c. sopa de bicarbonato de sódio
~ 2 c. sopa de óleo de coco
~ 6 gotas de óleo essencial Tea Tree

1) Derreter o óleo de coco em banho maria;
2) Quando estiver totalmente derretido juntar todos os ingredientes secos;
3) Misturar bem até ficar uma mistura homogénea;
4) Colocar num recipiente e esperar que arrefeça (fica sólido)
5) Usar e abusar sem culpa!

***


Um xi- sem crueldade, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

Reflexões

{sempre à procura de} um sítio melhor

sábado, maio 14, 2016


Passaram-se três meses desde a última vez que escrevi sobre esta minha procura sobre um sítio melhor.  E apesar de o sítio melhor (ainda) não ter aparecido, não desanimei, aliás, muito pelo contrário, tenho continuado exactamente com a mesma linha de pensamento que vos falei.
A Sónia tem sido um anjo em "aturar-me". Tem sido a luz quando parece que a noite não acaba, tem sido a melhor a não me largar mesmo quando estou prestes a cair, mesmo quando os dias maus batem à porta ela ajuda-me a ver o lado bom de uma tempestade. E olhem que às vezes não sou a pessoa mais fácil de convencer e não me perguntem como é que ela consegue... A verdade é que o consegue como ninguém. 
Sem me dar as respostas ou novos caminhos, as sessões de coaching, fizeram-me idealizar (de olhos fechados porque assim o coração fala melhor) os meus sonhos, os meus planos, os meus sorrisos. E a partir daí uma série de lições vieram de dentro de mim para fora. No outro dia, ela disse-me "Mariana, tu tens as respostas todas em ti. Não as estás a querer ver." E tinha tanta razão. O medo: de nós próprios e dos julgamentos dos outros mata-nos os sonhos. E o pior é que somos os primeiros a permitir que isso aconteça. Ainda não tenho as respostas todas. Mas sei que quando eu estiver preparada elas vão chegar.
Até lá, abraço cada dia: sem medo, com os meus sonhos a serem os meus melhores aliados. Sabendo que quando os dias maus chegarem, vou torná-los parte da minha lista de dias memoráveis. Até lá, todas as lições que já aprendi com esta experiência vão ficar cravadas na minha mente como um mantra.

Eu mereço. Tudo o que acontece é sincronia da vida. O tempo que vivemos é tempo investido. Não existe tempo perdido.  Estou muito orgulhosa de mim e dos meus lindos vinte e dois anos de vida. Porque eu mereço, preciso e quero.

Até lá, vou continuar à procura de um sítio melhor com a certeza que não haveria sítio melhor para estar do que aqui e agora.

Cartas Cruzadas

E se uma carta te fizer sorrir?

quarta-feira, maio 11, 2016

E se uma carta te fizer sorrir?
E se uma carta de uma estranha te abraçar?
E se um monte de letras significarem uma hora do tempo de alguém dedicado só a ti?



~ "As palavras representam a forma mais fácil, sincera e bonita de um ser humano chegar até outro. Quando bem utilizadas possuem um poder mágico, alquímico e terapêutico, capaz de levar a luz às mágoas mais sombrias e água às mentes mais áridas." ~ (Raquel Veloso)

Lembrei-me do porquê de ter começado este Projecto e porque  continuo a escrever cartas ao fim de 4 quatro anos do início desta aventura. Esta minha forma tão simples de fazer magia com um simples "Olá alegria" escrito numa folha de papel reciclado. As palavras são uma forma tatuada da dedicação para com a outra pessoa... Por isso é que todas as cartas que escrevo neste projecto são escritas com calma, muito carinho e toda a luz do mundo. 
kiki emoticon
Porque só assim faz sentido... porque "quando bem utilizadas as palavras possuem um poder mágico"... e que bela magia esta que nos cruza


E se este projecto te fizer sorrir?
Ficas por cá?

Leituras

Baluartes ~ Uma vida com banda sonora. {Diogo Lopes}

terça-feira, maio 10, 2016


Este livro podia ser do meu Diogo, mas não é. Quem o escreve é o Diogo Lopes, um rapaz com 16 anos e presidente da Associação Portuguesa Charcot-Marie-Tooth. A Charcot-Marie-Tooth é uma doença rara neurodegenerativa e o Diogo Lopes é o defensor desta causa em Portugal. 

Este é o segundo livro que leio do autor e nunca mais o vou esquecer. Escrevi no meu perfil do goodreads: «Este livro foi, provavelmente, o livro que eu li com mais atenção e rapidez. Não consegui parar de ler, foi um autêntico vício para mim. Em menos de um dia deixei-me perder nas ruas de Lisboa e nos corredores do Conservatório Nacional com a companhia do Diogo Lopes. Senti as palavras com toda a emoção possível: chorei, sorri e levei uns valentes murros no estômago. Como é que uma pessoa com dezasseis anos consegue escrever de forma a que umas vezes o nosso chão desapareça e outras como se fossemos donos do céu?! Sei que esta foi a primeira leitura deste livro. Não vou resistir a rele-lo umas quantas vezes pela vida fora. Se o objetivo do livro é que a doença Charcot-Marie-Tooth fique na minha cabeça, sei que as 250 páginas destes desabafos do autor ficarão também no meu coração. Excelente! "Lembra-te que não é o fim, apenas o desvio." Que todos os desvios da nossa vida sejam tão fantásticos como este livro.» Acrescentava mais umas quantas palavras a esta review, mas a única coisa que vou acrescentar é: Já tenho saudades de ler o livro. É criada uma relação tão forte entre leitor-escritor que sinto que já conheço o Diogo Lopes há anos, mesmo que nunca tenha falado com ele.


Desde o momento que acabei o livro que falo dele a toda a gente. É mais forte que eu, como se fosse um feitiço. De mim este livro já passou para a minha mãe e adivinhem? Aconteceu-lhe exactamente o mesmo que eu: começou e terminou o livro no mesmo dia. No dia em que acabou de ler o livro, já de madrugada fui ter com ela e perguntei-lhe porque não ia dormir "Não consigo parar de ler. Como é que um rapaz de dezasseis anos consegue escrever assim?". Não sei responder. Contínuo a fazer essa pergunta a mim mesma.

Comecei dizendo que podia ter sido o meu Diogo a escrever, porque o meu Diogo também tem esta doença (e esta sensibilidade pela vida e pela escrita). E ler este livro estando tão perto da realidade deles, como amiga e terapeuta, ajudou-me a perceber: os olhares cheios de silêncios, os sorrisos sem explicação e tudo que às vezes não consigo traduzir. Fez-me perceber ainda que estes Diogos têm pelo menos quatro coisas em comum: o nome, a doença, um coração de ouro e a minha eterna admiração. Obrigada.


{Obrigado Diogo, por seres o melhor chinoquinha-olaf do mundo}

Cosmética Natural

Eco-higiene íntima feminina {in my way to the green beauty}

segunda-feira, maio 09, 2016



A última vez que vos fiz um apanhado geral do "In my way to the green Beauty" ainda não me tinha rendido às alternativas mais ecológicas no que diz respeito à higiene intima. Quando a Vera veio falar comigo, achei que era o sinal perfeito para dar esse passo. Foi graças à Marina (aproveito para fazer divulgação ao video que a Marina fez a favor do vegetarianismo, não deixem de ver!) que a Vera entrou na minha vida, com os seus "panos".

A Vera tem um negócio de artigos de higiene reutilizáveis. O conceito é mais do que sustentável e são lindos! Chegaram-me às mãos e devo-vos dizer: estava super resistente em experimentar. Sabem aqueles bichinhos que às vezes fazem festas de confusão na nossa cabeça? Os meus não paravam de falar "vai ser desconfortável", "vai pingar", "vai manchar". Felizmente mandei-os calar. E hoje sei que foi a melhor coisa que fiz. As minhas desconfianças não tinham fundamentação. E apesar de ser uma fã de tampões, estes pensos fizeram-me esquecer um bocadinho este amor.


Eu não tenho muito fluxo portanto estes pensos são perfeitos para eu usar de noite. (Se tens muito fluxo e tens algumas dúvidas, fala com a Vera, tenho a certeza que ela tem a solução para ti.) Como ela disse: "trabalho artesanal é assim: personalizado, único e sempre uma surpresa. Tudo aquilo que as grandes marcas não oferecem". 

Existem três tipos de pensos: 1) pensos diários: apenas algodão, finos e sem película impermeável; 2) pensos higiénicos de vários tamanhos, com película impermeável, podendo ser iguais frente e verso, verso de cor diferente ou frente em patchwork (vários tecidos unidos) e 3) pensos noite tamanho super em flanela. Depois de os usarem só têm que os demolhar em água fria e depois lavar ou à mão ou à máquina. Não ficam com manchas, prometo!

Para mais informações sobre os pensos vão à página Panos da Vera. Tenho a certeza que ela vos vai receber da melhor forma possível (ah, e os envelopes onde vêm os pensos são super originais e ecológicos! Não vou dizer como são... mandem vir e depois venham dizer o que acharam!)



Como disse acima, eu sou uma fã de tampões. Deixar de os usar ainda não está nas minhas opções. Tento contudo encontrar opções mais naturais: de algodão biológico e sem químicos. Encontrei os tampões masmi em promoção no continente e decidi experimentar. Mais um passo neste caminho que ainda está no inicio! Claro que estou curiosa em relação ao Menstrual Cup, mas ainda não estou pronta para me aventurar (usas? O que achas? Aconselhas?). Em relação às toalhitas intimas, ainda estou à procura de umas eco-friendly. Ter arranjado as soluções dos pensos e dos tampões já foi um passo que custou a dar. Vou com calma, que sei qual é o caminho a percorrer e ninguém me vai fazer sair dele.

Um xi- não testado em animais, biológico, 
100% biodegradavel e só com produtos naturais, 
Mariana.

DIY

Como fazer envelopes a partir de sacos de papel {diy}

quinta-feira, maio 05, 2016


De repente decidi-me e aventurei-me nisto de fazer vídeos. Já aqui vos dei a entender que andava a preparar umas coisinhas e apesar de ter demorado, cá está ele! O vídeo onde explico como faço os envelopes para o Projecto Cartas Cruzadas a partir de sacos de papel (daqueles das compras, sabem?). Fácil e faz uma diferença enorme, no orçamento e no planeta! A próxima vez que decidirem enviar uma carta (pode ser para mim, que eu adoro!) experimentem mandar num envelope destes. "Pequenos gestos, fazem grandes diferenças".

Estilo de vida

Os meus 21 dias sem açúcares processados.

quarta-feira, maio 04, 2016

Em Abril, depois da Páscoa, a minha pele teve um subdito ataque de acne. Daqueles que mete medo ao medo (ou então sou só eu a exagerar). Para quem sabe eu já sofri de acne e durante anos da minha vida ele foi o meu maior inimigo. Vê-lo voltar é quase tão pior do que voltar à altura em que não havia um pedaço da minha pele sem uma borbulha. Com o pânico a instalar-se decidi descobrir o que realmente se estava a passar. De há uns tempos para cá tento analisar aquilo que o meu corpo realmente me quer dizer. Interpretei estas acções como açúcar a mais. Então decidi experimentar: 21 dias sem açúcar. Imprimi a folha para contar os dias, afixei na cozinha, contei às pessoas mais próximas o que ia fazer e atirei-me de cabeça.

{ilustração Catita Illustrations e podem imprimir aqui}

Aliás, tive que me atirar por duas vezes. Na primeira queda já estava eu no sexto dia quando uma Miss Pavlova me apareceu à frente e eu não tive como lhe dizer que não. Retomei assim ao início. Desta vez nada me ia parar. E foi difícil: oh se foi! Houveram aniversários, lanches, jantares e dias em que tudo parecia querer levar-me a comer açúcar. Mas depois da primeira semana, já estava habituada, aliás, nem me apetecia nada. Comecei a tomar café sem açúcar (e continuo), quando me apetecia um doce comia uma peça de fruta e assim sobrevivi sentindo-me realmente viva (e as borbulhas - coincidência ou não - diminuíram).


2) Mousse de cacau vegan receita no meu instagram


Em termos de cansaço e falta de concentração, que me disseram que ia sentir, não senti nada. Não sei se foi por continuar a comer os açúcares naturalmente presentes, mas senti-me muito bem. E tendencialmente bebi muita mais água do que é normal. Ou seja, só coisas positivas. Com esta experiência aprendi duas coisas: Quando se quer uma coisa consegue-se mesmo que não seja à primeira tentativa, nada é impossível. E segundo: existem receitas fantásticas sem açúcar processado! Aliás bem melhores do que as "normais" e partilho com vocês (fotografias em cima) algumas iguarias que experimentei, aprovei e chorei por mais. Cada uma destas receitas merecia um post só para elas porque são maravilhosas. Aconselho-vos a experimentarem e depois digam o que acharam.


Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá