DIY

Reciclar sobras de cera de vela {DIY}

domingo, outubro 26, 2014


Para quem é amante de velas, como eu sou, sabe o quão irritante é ver aqueles restos de cera que ficam depois do pavio arder. Desde cedo que isso me irrita, porque me custa não arder uma vela até ao fim e porque sou contra o desperdício. Então, desde há mais de um ano que comecei a "coleccionar" os restos de velas. Guardei-os por cores (para não se misturarem) e quando achei que já tinha cera suficiente pus mãos à obra! De que precisei?

  • Restos de cera;
  • Cordel;
  • Formas de silicone;
  • Panela


Como fazer?  Derreter os restos de cera na panela até estar tudo fundido. Entretanto passar as formas de silicone por água, mergulhar o bocado de cordel na cera quente. E segurar o cordel no meio da forma com a ajuda de molas de forma a ficar mais ou menos no centro. Colocar lá dentro a cera seca e sem fazer muito movimento colocar a arrefecer, eu coloquei no frigorífico. Retirar da forma só quando estiverem totalmente frias e feitas. Demora sensivelmente meia hora a arrefecer.

Com esta reciclagem consegui fazer sete velas novas. Duas laranjas, duas brancas às quais juntei sementes de lavanda, duas cor-de-rosa (juntei cera branca com cera quente até ter a cor que eu queria) e uma vermelha. Já pus uma delas a queimar e funciona perfeitamente. Que venham mais restos que aqui em casa aproveita-se tudo! E vocês, o que fazem com os restos de cera?

Um xi-
Mariana.


Viagens

Para onde a minha vida me levou. {Vilarinho de São Roque}

sábado, outubro 25, 2014





"Quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não te metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiras-te no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar."
Susanna Tamaro

♥♥♥♥

quarta-feira, outubro 15, 2014

Origami

Lembro-me de ti todos os dias. Todos os dias relembro cada bocadinho de ti, desde o teu cabelo despenteado, à tua cara de chateado. Relembro e decoro a tua voz, o teu cheiro doce que só por si me remete a um oceano de emoções. Todos os dias és parte de mim. Todos os dias, queria fundir-me em ti para juntos aproveitar-mos cada segundo. Porque cada segundo longe de ti, dói e prende-me o peito numa saudade pior que teia de aranha. És o meu veneno, o meu vício, o meu maior desejo. Amo-te. Amo-te tanto. E é tão bom saber que me amas também.

segunda-feira, outubro 13, 2014


Procuro as tuas mãos enrugadas pela cidade, pelos corpos que transitam no trânsito ouso reconhecer-te o rasto. Procuro a tua voz na gargalha dos idosos que jogam à bisca e a tua atenção naqueles que lêem o jornal. No céu, procuro o teu olhar que brilhava como estrelas na noite mais escura. Mas tu escureceste-me. Tiraste-me a luz deste mundo que fica tão cinzento sem ti. Sem ti, não consigo ver claramente. Tiraste-me a visão daquele mundo que conhecíamos, tão belo, tão inocente. Tiraste-me a esperança neste vale de lágrimas. Mas mesmo assim reconheço-te na picada que o meu coração sofre de vez em quando: és tu a dar-me um abraço mais apertado? 
Hoje faz cinco anos que foste embora e ainda espero que voltes. Ó avô vá lá.. volta depressa. Não aguento muito mais. A tua menina mais pequenina está tão crescida. Sabes que agora trabalho num sítio onde tem muitos velhinhos (quase) como tu? (porque nunca vai haver ninguém como tu) E que de vez em quando visito alguns que estavam como tu estavas? Nesses dias a saudade trepa-me pelas paredes do coração e tudo o que o meu corpo grita e pede é para que voltes. Corróis-me a alma, como uma praga que não morre, como um sentimento que sempre cresce. Não exagero se digo que me lembro de ti todos os dias. Tu és a força que me segue, o sorriso que em mim nasce. Sei que lá em cima, lá em baixo, em qualquer sítio que seja, tu (e ela) estão comigo. Mas sabes, a cevada não sabe ao mesmo, as bolachas com queijo já não são tão boas e a vida sem ti, sem vocês, não tem o mesmo sentido. 
Tenho saudades tuas, das tuas bochechas. Prometo e juro que ainda me lembro do toque da tua mão na minha e da forma como sorrias sempre que te dava um beijinho na testa, como vês, nunca te esqueci. É impossível esquecer-te. Revejo-te mesmo estando cega de saudades. Mesmo que o meu coração aperte tanto que me custe a respirar. Vejo-te uma, duas e três vezes na minha memória. Estás encostado ao sofá, sentado na cadeira de rodas junto à janela. Estás nesse teu jeito inclinado a usar uma camisa de flanela e a avó tem o leite a ferver. Os teus olhos estão grandes e a tua pele jovem como que ainda ontem tivesses feito vinte anos. Tens as mãos cansadas e duras do trabalho, mas é no teu sorriso que mora o teu coração de ouro. E é quando me dás um beijinho, com a boca meia fechada (já custa um bocadinho não é?) e me dás a mão que eu te recordo como sempre o fiz: pelo melhor avô do mundo. Por isso hoje recorda-me também: com o cabelo mais curto, mais gordinha, mais menina e com mais luz no olhar e deixa-me dar-te mais um beijinho - bem repenicado - na tua testa. E vamos fingir que estes cinco anos não passaram e ainda hoje nos voltamos a encontrar. Está bem? É que as saudades já são tantas e eu sou tão (a tua) pequenina para aguentar.

Coincidências deste mundo maravilhoso. ♥

sábado, outubro 11, 2014


O mundo é maravilhoso.

      De há uns tempos para cá adoptei um novo lema "O mundo é maravilhoso". Tudo começou quando fui à apresentação do livro da Gabriela Oliveira e nesse mesmo dia ela tinha publicado o post que fiz sobre esta receita que experimentei do livro dela. Logo por aí ganhei o dia, mas não é que no fim do workshop ainda tive oportunidade de falar com ela e tirar esta foto? A partir daí acredito piamente que o mundo é maravilhoso. Mas para além de acreditar, ele prova-me que o é.
        A semana passada comecei a minha nova aventura como contei aqui e para me acompanhar sabia que tinha mais duas raparigas que iam ser as minhas "companheiras de luta". Como Albergaria-a-Velha não é assim um sítio normal de ponto de encontro, estava como que aterrorizada por não saber quem ia encontrar. O que eu não sabia é que uma delas ia ser das melhores amigas de uma das minhas mais queridas amigas (acho que o mundo estava a torcer para que nos encontrássemos) e que a outra já se tinha cruzado nesta minha vida na minha estadia na Holanda. Feitas as contas... o mundo é maravilhoso e mais do que isso faz questão de trazer para a nossa vida pessoas ainda mais maravilhosas. Estou certa ou não?

Um xi- maravilhoso, 
Mariana


Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá