Cartas Cruzadas

Como participar no projecto "Cartas Cruzadas".

segunda-feira, julho 30, 2012

Como o número de pessoas interessadas no projecto tem vindo a aumentar, resolvi elaborar uma série de passos necessários para a participação neste projecto estar concluída. Espero ser o mais breve e simples possível, caso tenham alguma dúvida contactem-me ou por comentários, ou para o meu mail.

       
O que é? 

     O projecto chama-se "Cartas Cruzadas" e tem como objectivo renovar o hábito de mandar cartas às pessoas. Já há algum tempo que troco cartas com uns amigos meus e sempre o achei mágico. A ideia de ler e sentir a letra de outra pessoa, de conseguir cheirar os cheiros, ou de ainda puder anexar coisas pessoais é linda e realmente inspiradora. Sempre que chega uma carta ao correio cá de casa é como se formasse uma orquestra cheia de lindas sinfonias no meu coração e não parasse de tocar até eu ler a última palavra da carta. É uma sensação óptima. E quero dar a conhecer essa sensação a outras pessoas, sejam elas quem forem, de 1 mês a 100 anos. Torna-se assim mais uma maneira de partilhar felicidade. (...)  Não vos peço nada por mandar as cartas, é só a vossa morada, e mais dia menos dia, recebem um bocadinho da minha felicidade nas vossas casas.
artigo completo aqui.

Como participar?

 Mandar um e-mail para mmariana.neves@gmail.com com a respectiva morada, assim como os tópicos que gostaria que abordasse na carta e como descobriu o projecto.

Obrigado e boas cartas (cheias de felicidade) para todos! :)

Chá

Este blogue aconselha: Poison d'amour.

domingo, julho 29, 2012

      Andávamos a visitar as ruas em direcção ao Príncipe Real depois de sair do Jardim Botânico de Lisboa, quando num prédio cor de rosa, rodeado de vidros fumados descobrimos mais um recanto mágico da nossa capital: a Poison d'amour. Automaticamente fascinados pela montra decidimos entrar, ainda que tivesse sido necessário um bocado de força para abrir a porta principal. Contudo, todo esse esforço foi compensado quando mal abrimos a porta fomos invadidos por um cheiro a bolos e os nossos olhos se maravilharam com a quantidade e qualidade de bolos que se mostravam à nossa frente. Por momentos, devo admitir, não consegui tirar os olhos do mostrador de bolos. Era tão originais, potencialmente deliciosos e coloridos que me hipnotizaram imediatamente. Mas assim que quebrei (ainda que por meros o segundos) o feitiço e direccionei o meu olhar para a empregada encontrei um sorriso bastante acolhedor, com tendência para o sincero. A senhora deve ter percebido o meu encantamento e deixou-nos ver os bolos um a um, explicando de que se tratava cada um e ainda nos deixou andar a escolher o sítio onde nos queríamos sentar.


          Entre a sala perto da entrada, a sala que dava acesso ao pátio, e o pátio, como é lógico - especialmente numa tarde de Verão - escolhemos o pátio. Este era um miminho, estava decorado com sofás roxos, azulejos em tons de amarelo,as mesas de pedra e as cadeiras relembravam as cadeiras dos jardins mais bonitos de Paris. À volta do pátio via-se ainda as árvores do jardim botânico de Lisboa, o que lhe dava um encantamento excepcional. Uma vez sentados, decidimos por pedir um lanche para cada um. O N. pediu um croissant com amêndoas e um sumo de laranja natural. Eu, como não podia deixar de ser, pedi um chá frio de Rooibos com canela e casca de laranja (que veio muito bem servido, com o tempo de infusão certo e bem fresquinho tal como foi pedido) e ainda ousei experimentar um pudim de banana, que me levou ao céu não só devido à sua textura como ao fiel gosto da banana. Ainda ficamos lá umas boas horas: eu a escrever cartas, o N. a ler uma revista. E assim passamos um bom fim de tarde. Coisas menos positivas a apontar? Os custos, claro. Por este lanche pagamos quase dez euros. O que não se justifica mesmo apesar da boa qualidade. À parte disso, e porque vezes não são vezes, aconselho este espaço mágico na nossa grande Lisboa.


Ler a crítica do fugas ao Poison d'Amour aqui.

Cartas Cruzadas

Projecto "Cartas Cruzadas" #3

sábado, julho 28, 2012


      Estes são todos os lugares para onde já enviei uma carta. Ao fazer esta montagem lembrei-me que seria engraçado que as próximas pessoas a receberem cartas minhas me enviassem a fotografia da carta tendo como plano de fundo qualquer coisa típica do sitio onde moram (podia ser a caixa de correio, a paisagem, um alimento, o que quiserem..) e um pequeno texto a dizer o que acharam da carta e a explicar o plano de fundo. O que acham? Não é uma ideia gira? Assim embelezamos ainda mais o projecto! Fico à espera das novas fotografias.

Da esquerda para a direita: Lisboa, Oliveira do Bairro, Alpedrinha, Canelas, Madalena, Pedroso, Paço de Sousa, Avintes, Guimarães, Costa da Caparica, Paredes, Santo André, Covilhã, Carvalhais de Lavos, Baguim do Monte, Gondomar, Valongo, Seixal, Vila do Conde e Ramada.

 

Cartas Cruzadas

Projecto "Cartas Cruzadas" #2

quarta-feira, julho 25, 2012


       Antes de ir para Lisboa mandei vinte cartas que me foram pedidas por intermédio deste projecto. Deixei duas para mandar quando estiver na Capital, porque foram cartas pedidas por pessoas especiais que realmente mereciam destaque das outras (não fossem elas o meu pai - que ficou com ciumes por eu ter escrito tantas cartas e nenhuma ter sido para ele -  e a irmã do N.)
      Nunca pensei que este projecto me fosse dar tanto trabalho, tanta dor de mão, mas acima de tudo tanta alegria! A felicidade que sinto quando escrevo uma carta, revelando um bocado mais de mim, ou então a felicidade e adrenalina que sinto quando alguém diz que recebeu uma carta minha é de outro mundo. Acho que é isto que se sente quando realmente se faz questão de partilhar a felicidade com as outras pessoas e para isso nos damos mesmo ao trabalho de nos dedicar a trabalhar os sorrisos mais bonitos para quem vai receber a carta. 
      Sinceramente não sei quem fica mais feliz, se as pessoas que recebem as cartas, se eu com a sua felicidade e com este sentimento óptimo de realização pessoal! É extraordinário. E assim que chegar de Lisboa já ponho mãos à obra e atendo os pedidos que me forem chegando (já vou com dois em lista de espera). Obrigado a todos que participaram, divulgaram e hão-de participar: tornam o meu mundo muito mais bonito.  ()

Cartas Cruzadas

sexta-feira, julho 20, 2012

Como amanhã vou para Lisboa, todos os pedidos de cartas que vierem a partir de agora só serão "atendidos" quando voltar (daqui a uma semana). Até lá espero conseguir mandar as 20 cartas que me pediram! Obrigado a todos :) **

Cartas Cruzadas

Projecto "Cartas Cruzadas" #1

terça-feira, julho 10, 2012


      Para quem já reparou, na barra direita podem ver um novo projecto que nasceu neste blogue. Chama-se "Cartas Cruzadas" e tem como objectivo renovar o hábito de mandar cartas às pessoas. Já há algum tempo que troco cartas com uns amigos meus e sempre o achei mágico. A ideia de ler e sentir a letra de outra pessoa, de conseguir cheirar os cheiros, ou de ainda puder anexar coisas pessoais é linda e realmente inspiradora. Sempre que chega uma carta ao correio cá de casa é como se formasse uma orquestra cheia de lindas sinfonias no meu coração e não parasse de tocar até eu ler a última palavra da carta. É uma sensação óptima. E quero dar a conhecer essa sensação a outras pessoas, sejam elas quem forem, de 1 mês a 100 anos. Torna-se assim mais uma maneira de partilhar felicidade. 
   Comecei o projecto, e uns dias depois as cartas que tinha que escrever foram aumentando. Neste momento tenho ainda dezassete para escrever, já tendo entregue três. Se dá trabalho? Sim, dá. Mas é gratificante. É bom saber que vamos fazer florescer o sorriso em alguém. Aliás, se não for a felicidade a mover-nos o que estamos a fazer aqui? Ah, e claro que cada carta é personalizada e contém um miminho diferente para as pessoas que a recebem. 
  Para quem quiser participar no projecto, por favor mande-me uma mensagem para a página do facebook ou pelo e-mail disponível no meu perfil. Caso eu não conheça a pessoa, agradecia que me desse um tópico para começar, de modo a ser mais fácil. A minha imaginação não é assim tão grande. Não vos peço nada por mandar as cartas, é só a vossa morada, e mais dia menos dia, recebem um bocadinho da minha felicidade nas vossas casas. Se alguém tiver ideias para melhorar o projecto, agradeço que partilhe. E quem quiser divulgar o projecto está à vontade :)




"Chá & Girassóis" está no facebook.

Reflexões

Haja o que houver, o medo e o amar esperam por ti.

segunda-feira, julho 09, 2012

     Mais do que a saudade, mais do que a paixão e até mais que a felicidade, se há uma coisa que anda sempre de mão dada com o amor, como dois namorados que passeiam na praia, é o medo. Medo de perder, medo de deixar de acreditar, medo da mudança, medo dos mundos. Medo de tudo. Quem ama tem medo. Ponto final. E, digam o que disserem, não, não é só aquele medo saudável. não é só aquele medo que faz com que ainda gostemos mais das pessoas e percebamos que não as pudemos perder. Não é só esse medo,é bem mais que isso. É mais aquele medo de um dia acordarmos e não termos o casaco dele em cima da secretária, o medo de já não haver um colo para nos sentarmos, ou um nascer do sol para partilhar. Mais do que perceber que não pudemos perder as pessoas, este medo de que falo, constrói a percepção de que se as perdemos a nossa vida nem de cabeça para o ar consegue ser vivida. Torna-se impossível. E porquê? Porque este medo - de mais do que perder alguém, é o medo enorme de perder a vida com alguém - quando chega e ganha simplesmente nos destrói. Acontece e pronto. Não só perdemos quem mais amamos, como nos perdemos que nem naufrago a atravessar uma tempestade sem controlo nas tábuas que o sustentam. 
        Mas afinal o que gera este medo? Fácil. A distância, a insegurança, ou lá o que seja. Este grande medo, não é gerado pelos amantes, mas sim pelo mundo em que eles vivem. Acontece sempre que há uma despedida. Acontece sempre que se tem que esperar mais uma semana para estar nos braços dele, para andar de mão dada com ele pela noite. Acontece sempre. E não, enganam-se, não é falta de confiança. É o amor. Comecei este texto por dizer que o medo e o amor andam sempre de mão dada, acrescento dizendo, que ao longo do tempo o medo e o amor tornam-se amantes. Dormem na mesma cama e múltiplas vezes se tocam, causando aquele desespero do "não deixar", de que aquele momento é único e nada nos separa, o desespero de um pelo outro. A realidade é que o medo não é assim tão mau. Desde que se ame, o medo não destrói. Quem ama confia, quem ama, ama e pronto. Haja o que houver, os medos são enfrentados. Afinal o amor enfrenta tudo não é? Devia ser. O que estou a tratar aqui, é só fazer perceber que é normal. 
        É normal olhar para o espelho e num dia pensar "eu sou dele" e noutro pensar "eu ainda serei dele?". A questão é que as duvidas colocam-se. A fragilidade acontece. Por muito que às vezes não pareça, ninguém é de ferro. Portanto embora hajam sempre dias em que se passem manhãs a chorar só com a possibilidade de perder, lembrem-se que o amor pode e deve ser mais forte que tudo, haja o que houver. Acreditem. Lutem. Amem. Mas acima de tudo, não tenham medo de ter medo, porque ter medo, é recusar a necessidade que temos da outra pessoa. E afinal vamos a ver e o amor sempre é uma simbiose não é? Mesmo que para isso tenha que existir medo. 

 Haja o que houver.

Receitas

Cestos com Creme de Iogurte e Pêssego **

sábado, julho 07, 2012


        Hoje foi dia de mudanças cá em casa, andamos todos atarefados a mudar os móveis, arrumar o quarto e ainda 'perdemos' tempo a fazer esta sobremesa. E sim, desta vez não fui só eu a cozinhar, o N ainda ajudou bastante (daqui a nada está um mini chefe especializado!). Acabou por ser o nosso manjar depois do cansaço e soube mesmo bem fresquinha com um chá frio de frutas a acompanhar! Já agora, já repararam como está a ficar lindo o canteiro das flores? Uma mão cheia de cores para sonhar, não? É tão bom tomar um pequeno almoço verificando as cores dos novos borbotos. Mas adiante, eis a receita de hoje: 

Ingredientes 

Massa dos cestos 
70 gr muesli (não tinha, usei a mesma quantidade de cereais integrais); 
40 gr cereais integrais ou Bran Fibra Flakes; 
 40 gr flocos de aveia integral; 
 1 colher (sopa) sementes sésamo (acrescentei umas de linhaça também, e aconselho acrescentar menor quantidade de sésamo, porque fica um sabor muito forte e para quem não gosta torna-se desagradável);
 2 colheres (sopa) margarina vegetal;
2 colheres (sopa) mel

 Creme de iogurte
4 iogurtes naturais drenados* (ou 3 iogurtes gregos) (eu usei iorgurtes de pedaço de morangos, que era o que tinha cá em casa);
Raspa de meio limão (usei a raspa de um limão inteiro, dá-lhe um sabor mesmo bom!);
Açúcar em pó baunilhado a gosto (não coloquei porque não achei que fosse necessário) 

Preparação 

 Massa dos cestos 
 Triturar o muesli, flocos de aveia, sésamo, cereais integrais na trituradora (não triturar demasiado). A este preparado juntar, com as mãos, a margarina e o mel até formar uma massa maleável (granulado húmido). Dispor esta massa sobre pequenas formas (usei formas de queijadas) untadas com manteiga e formar pequenos cestos. Levar 15 minutos ao frigorífico e levar de seguida ao forno (200ºC) durante 10-12 minutos, até que a massa fique firme e dourada. Nós tivemos um pequeno acidente, e dez minutos é muito tempo no forno, os nossos ficaram um bocado queimados. Retirar e deixar arrefecer bem. 

Creme de iogurte 
 Bater o iogurte com o açúcar baunilhado e as raspas de limão. Quando os cestos de muesli estiverem frios, colocar o creme de iogurte em cada cesto e por cima pedaços de pêssego fresco (ou outra fruta a gosto), eu experimentei colocar doce de frutos silvestres por cima e ficou igualmente bom. Servir de imediato ou colocar no frigorífico a refrescar.
Retirado daqui.

Seguidores

Junta-te ao Facebook

Amantes de Chá

Junta-te ao grupo #umaxícaradechá